Houve tempo na história de nossa raça quando os brindles (tigrados) ocasionalmente nasciam. O brindle não é uma coloração reconhecida pelo Padrão Aussie. Ouvimos rumores sobre Aussies de trabalho apresentando brindle e pontos de tan, e temos um exemplo deste. Caso mais alguém tenha fotos de Aussie puro apresentando brindling, ou com brindling nos pontos de tan, ficaríamos felizes em adicionar mais estes exemplos. Achava-se que o brindle localizava-se no Lócus E, mas os geneticistas agora dizem que a localização exata é desconhecida. Visualmente sua padronagem assemelha-se às listras de um tigre, como nos Pit bull terriers americanos. Em cães que apresentam gene B preto, o fundo é amarelado e as listras pretas. Em cães vermelhos bb o fundo é amarelado e as listras vermelho-fígado. O brindle também pode ser diluído. Em Catahoulas e Pit bull terriers americanos, o merle pode combinar-se ao brindle criando um padrão muito selvagem.

Este é Snickers, um meio-Aussie resgatado para adoção. Esta é a aparência do brindle no corpo de um cão com pelagem como dos Aussies. São listras de tigre definidas, não marcações aleatórias do preto sobre o amarelo. Em cães com pontos de tan, o brindle aparece só no tan se e^br estiver presente. O genótipo provável de Snickers é (a^t ? B? K? mm S?).

Esta é uma filhote de Aussie preta tri com brindling (listras de tigre) nos pontos tan. Ela não apresenta manchas aleatórias de preto como se vê em cães com pontos tan manchados. Estas são listras distintas de preto, mais visíveis em suas pernas, ombros e pescoço.

Aqui outra foto da mesma menina, vários anos depois. O padrão brindle é limitado à área de seus pontos tan. O brindling forma listras pretas verticais em suas pernas e horizontais nas laterais de sua face. Ela também apresenta um pouco de “ticking” (marcas em “V”) em seus dedos e garganta. Ela é uma Aussie registrada e com ascendência conhecida. O brindle ocorre com pouca freqüência.