Provavelmente o branco é a cor mais problemática (na verdade, a falta de pigmentação). Não é a pelagem branca em si que não seja saudável. Brancos além das áreas padronizadas representam um aviso de que pode haver problemas de saúde relacionados à ausência de pigmentação ou gene merle homozigótico. Aussies brancos ou excessivamente brancos podem ser produzidos por mecanismos atuando sozinhos ou em combinação. Há considerável sobreposição visual entre merles homozigóticos e padrões brancos. Nem sempre é possível ter certeza quanto à configuração do cão sem testes. Genericamente, merles homozigóticos apresentam áreas com o merling desbotado e muito branco, mas em famílias tipicamente escuras, onde há poucas marcas brancas, devem nascer crias escuras com poucos excessos de branco. Dentre os defeitos comumente associados ao excesso de branco estão a surdez (total ou parcial em um ou ambos ouvidos) e problemas visuais e defeitos nos olhos, de leves a severos. Há diversas causas para o branco, mas as duas mais comuns são padrão branco recessivo e o cruzamento de dois merles, que produz merles homozigóticos.

Albinismo

Animais realmente albinos têm ausência de pigmentação na pelagem, pele e olhos. Os olhos apresentam coloração rosada e são muito sensíveis à luz, por perderem a proteção normal da íris pigmentada. Albinismo em cães é bastante raro, e não é causa significativa de branco em Aussies.

Branco Chinchila (c^ch)

Este gene reduz a pigmentação até próximo ao branco e acha-se que seja o gene responsável pela existência do Pastor alemão branco com olhos escuros. Não há registro de sua ocorrência em Aussies. A maioria ou todos os Aussies puros possuem “C” neste Lócus.

Modificadores de Redução

Os modificadores de redução atuam removendo pigmentação. Dedos brancos em Labradores e Dobermanns geralmente resultam de modificadores de redução atuando em animais monocromáticos, fazendo-os perder genes de marcações brancas. Caso um padrão de marcas brancas esteja presente, como o padrão de marcas irlandesas da maioria dos Collies, quaisquer modificadores de redução presentes enfatizarão este efeito e podem ser responsáveis por colares e marcas excedendo seus limites.

Esta é Nikki, uma Aussie muito ágil com doze anos (foto de Lisa of Aerodahlin). Ela é um daqueles casos que coçamos a cabeça para estimar o quê ela seja, baseados apenas na observação. Ela apresenta distribuição de branco tanto de merle homozigótico como padrão extremo de branco. Seu merling é muito escuro, sem tendência ao clareamento. Sua audição e visão são normais, provavelmente graças à pigmentação na área dos olhos e orelhas. Sua denominação é ambígua. É necessário avaliar os pais. Mas, já que este grau de malhado é muito raro em Aussies, a probabilidade seria dela ser merle homozigótica minimamente afetada.

Jackson é um cão adotado. Ele apresenta um belo padrão merling vermelho e sua cor de fundo é do tipo açúcar/canela. Seus olhos apresentam estriações espetaculares, mostradas na seçãocores dos olhos. Seus pontos de tan são bastante escuros e sua cabeça não tem mais que a porção normal de branco. O seu colar excede aproximadamente 10cm além da posição normal e o branco em suas pernas traseiras estende-se até o joelho. O branco das pernas dianteiras sobe até seu colar excessivo. Jackson é um merle heterozigótico com o padrão irlandês exagerado pelo efeito dos modificadores de redução que reduzem pigmentação extra. Ele poderia ser inapropriadamente denominado Padrão Branco, já que não mostra evidências de gene malhado. Ele apresenta branco suficiente para desqualificá-lo em provas de Conformação, apesar de ter pigmentação onde mais conta – ao redor dos olhos e de ambas orelhas.

Este garotão bonito é outro exemplar de modificadores de redução realmente entusiásticos e possivelmente também gene malhado (explicado abaixo). Ele exibe o padrão irlandês normal, mas vemos até onde se estende seu colar branco! Um pinto (padrão branco) deve ter menos branco que ele, mas estaria localizado em pontos irregulares, não como parte de um padrão irlandês claramente definido. Ele deve estar a apenas um passo da cabeça branca. O genótipo de Piebald é s^p.

Os brancos de cabeça colorida existem entre os Aussies, como entre os Collies e os Shelties? Este é Elmo, um Aussie adotado. Ele Possivelmente é um branco de cabeça colorida. A pigmentação é centrada e simétrica em sua cabeça e as manchas em sua pelagem são realmente bem modestas. Ele também apresenta “ticking” (Marcas em “V”) pelo corpo, pernas e focinho. Sendo as cores de seus pais desconhecidas, somente podemos especular. Se sua cabeça fosse preto tri em vez de azul merle, torná-lo-ia um caso ainda mais concreto de branco com cabeça colorida. Este é um caso no qual um cruzamento experimental com um não-merle seria esclarecedor.

 

 

Riley é um azul merle com gene de pontos malhados somado ao padrão irlandês (s^i s^p). O padrão irlandês é uma marcação bastante simétrica de branco. O gene do malhado é mais irregular em localização e aparência. Nele ambos são perceptíveis, sugerindo que a dominância de s^i sobre s^p não seja completa. O gene dos pontos malhados também ocorre em monocromáticos e pode ser herdado como recessivo vindo de ambos pais que não apresentam estas marcas. Esta marcação não é incomum em raças como o Foxhound. Apesar de desqualificatório, não representa problemas à saúde, a não ser que atinja os ouvidos. Riley apresenta branco substancial em uma das orelhas, portanto deveria ser checada sua audição neste ouvido.

Esta é Hannah, uma preta tri com padrão branco. De maneira alguma o Padrão Branco é restrito aos merles. Ele pode ocorrer em qualquer coloração.

Este espetacular vermelho pinto é Darwin, um entusiástico competidor em Agilidade (foto de Judith Lascola). Ele nasceu numa ninhada de pintos de várias cores, mas seus pais apresentam muito poucas marcas brancas. Ele é completamente saudável, porque possui pigmentação onde ela é necessária – ouvidos e redor dos olhos.

Este é Zach, um preto tri adulto com padrão pinto. Ele também apresenta bastante “ticking” (as marcas em “V”), especialmente nas pernas e no colar. Por também apresentar o padrão irlandês, seu genótipo provável é (s^i s^p). Sua cabeça é belamente pigmentada e sua audição é boa. O lado esquerdo de sua cabeça é branco; ele apresenta face dividida. Entretanto, a pelagem da orelha e ao redor o olho daquele lado é preta, um bom sinal quando se escolhe um filhote que tenha branco além do permitido.

Esta é Cotton, uma Aussie filhote de Joann Starks. Ela é uma vermelha merle com padronagem branca heterozigótica. Um dos pais é vermelho tri e o outro vermelho merle; ambos apresentam pouco branco. Mas ambos são portadores genéticos do padrão branco, então produziram um filhote padrão branco. Devido à ausência de pigmentação em ambos seus ouvidos internos, ela é totalmente surda.

Hannah é uma preta tri cujas marcas lembram um panda gigante (foto de Lori Fennell). Ela apresenta cabeça branca como Cotton, entretanto tem orelhas e ouvidos totalmente pigmentados, assim como ao redor dos olhos. Ela ouve perfeitamente e tem resistência normal ao sol, graças à pigmentação da pele ao redor dos olhos e na ponta do focinho. Se ela apresenta um verdadeiro padrão branco, é uma expressão mínima dele. O(s) gene(s) que causa(m) o branco e a cabeça branca ainda não é(são) completamente compreendido(s).

Este é um close-up de Mack (foto de Tina Valant-Siebelts), um Aussie que também aparece napágina dos amarelos. Ele apresenta metade da cabeça branca, mas note a localização e porção de pigmentação em sua pele exposta. Ele tem fortes “marcas de mascaramento” ao redor dos olhos e um belo nariz preto. Como resultado, ele não se queima facilmente ao sol, como acontece com a maioria dos cães com cabeças brancas. Aquele anel de pigmentação ao redor dos olhos (incompleto em seu olho esquerdo) é muito importante para a proteção UV.

Este filhote é um Padrão Branco? Tecnicamente, sim. Ele apresenta uma pequena mancha branca nas costas, acima dos quadris e outra menor quase entre os ombros. Mas é comum filhotes nascidos com marcas brancas assim, tão pequenas, perdê-las completamente durante seu primeiro ano de vida. Um comprador potencial precisaria ser informado disso, porque para poder produzir filhotes com marcas brancas somente nas áreas prescritas teria que escolher parceiros sem marcas brancas. Ele também é mencionado na seção “decisões difíceis”.

 

Padrão Branco Extremo s^w

Não se conhece a causa exata para malhados extremos ocorrerem entre os Aussies. Este efeito elimina a maioria das áreas pigmentadas, tornando o cão branco ou quase todo branco (Pirineus, Samoanos). Quando presente, pode explicar raros casos em que Aussies quase totalmente brancos, não resultantes de merle X merle, têm audição e visão normais, como os Pirineus ou Samoanos. Nestas raças a pele costuma ser pigmentada mesmo onde os pêlos não são.

Esta é Emma, de Louise Gaynor, numa prova de Obediência do CKC (Canil Clube Canadense). Emma é uma Aussie vermelha com padrões brancos, e foi fotografada por Lisa Giroux. Não sabemos se ela é uma vermelha tri ou vermelha bi, porque as áreas onde normalmente apareceriam os pontos de tan, nela são brancas. Louise relata que sua audição é normal e que ela atua com entusiasmo em Agilidade, Obediência e Frisbee. Estas atividades requerem acuidade visual, que ela tem. Ela também é um cão de terapia. Com este grau de branco ela deve ser um Padrão Branco Extremo (s^w).

Os brancos de cabeça colorida existem entre os Aussies, como entre os Collies e os Shelties? Este é Elmo, um Aussie adotado. Ele Possivelmente é um branco de cabeça colorida. A pigmentação é centrada e simétrica em sua cabeça e as manchas em sua pelagem são realmente bem modestas. Ele também apresenta “ticking” (Marcas em “V”) pelo corpo, pernas e focinho. Sendo as cores de seus pais desconhecidas, somente podemos especular. Se sua cabeça fosse preto tri em vez de azul merle, torná-lo-ia um caso ainda mais concreto de branco com cabeça colorida. Este é um caso no qual um cruzamento experimental com um não-merle seria esclarecedor.

Este garotão bonito é outro exemplar de modificadores de redução realmente entusiásticos e possivelmente também gene malhado (explicado abaixo). Ele exibe o padrão irlandês normal, mas vemos até onde se estende seu colar branco! Um pinto (padrão branco) deve ter menos branco que ele, mas estaria localizado em pontos irregulares, não como parte de um padrão irlandês claramente definido. Ele deve estar a apenas um passo da cabeça branca. O genótipo de Piebald é s^p.

Este Aussie recém-nascido é de uma ninhada em que os demais apresentam distribuição normal de marcas brancas. É um filhote inteiramente branco, exceto pela pigmentação nas orelhas e arredores. Ele também deve ser considerado um branco de cabeça colorida. Havendo pigmentação ao redor dos olhos e ouvidos, é bem provável que sua audição seja normal e sua pele deverá ter proteção contra queimaduras solares. Ainda não sabemos se ele apresentará “ticking” (marcas em “V”), já que as raças que apresentam “ticking” (incluindo os Aussies) nascem com áreas brancas, livres de “ticking”. O “ticking” desenvolve-se num período de semanas ou meses.

Esta é uma filhote branca com cabeça colorida, nascida numa ninhada de azuis merle e pretos tri, foto de Lindsey Porter. O pai é azul merle com acabamentos brancos dentro dos limites e a mãe é preta tri com menos branco. Outro filhote branco com cabeça colorida nasceu nesta mesma ninhada, mas por razões desconhecidas não sobreviveu. Até mesmo cães que não apresentem qualquer excesso de branco podem ser portadores da tendência recessiva de produzir padrões extremos de branco, como esta menina. Mas ela apresenta pigmentação onde mais precisa: nariz, redor dos olhos e orelhas. Cães com faces brancas e redor dos olhos rosados tendem a fechar mais os olhos à exposição sob luz intensa e queimam-se facilmente com ao sol. Confira como ela mantém seu olho esquerdo, circundado por pele mais clara, um pouco mais fechado.

Merles Homozigóticos (MM)

Merles homozigóticos decorrem do cruzamento de dois merles. Independentemente dos pais serem ambos azuis, ambos vermelhos, ou um de cada. Estatisticamente um cruzamento de dois merles resulta em: 25% monocromáticos, 50% merles normais heterozigóticos e 25% merles homozigóticos. Os merles homozigóticos podem ter suas cores apagadas, pupilas excêntricas ou raiadas e freqüentemente têm manchas brancas pelo corpo e ao redor dos olhos e orelhas. Em linhagens com marcas brancas mínimas e cores ricas, os merles homozigóticos podem apresentar pouco branco e as cores não ser apagadas. Há sobreposições visuais consideráveis entre merles malhados e homozigóticos. Por esta razão ambos são desqualificados dos Padrões. O teste de DNA determinará se o cão é um merle homozigótico ou heterozigótico.

Este é Oink, de Shawna Graham. Ele é merle homozigótico e quase todo branco. Ele é surdo e seus olhos são muito claros. Oink encaixa-se muito bem à descrição do merle homozigótico típico, mas nem todos merles homozigóticos são tão brancos quanto Oink.

Chili, de Lisa Pattison, é uma azul merle homozigótica que apresenta algumas pequenas áreas com pigmentação intensa no corpo. Há uma mancha azulada logo abaixo de seu rabo e suas orelhas têm um merling bastante claro. Ela é uma merle homozigótica com sorte por não apresentar problemas auditivos nem visuais. Muito poucos Aussies com este grau de branco têm pigmentação suficiente em seus ouvidos internos para transmitir devidamente os sons.

Este filhote, Ronnie, é um exemplo de merle homozigótico que mostra muito pouco excesso de branco. Ele descende de uma linhagem conhecida por produzir cães com mínimas ou nenhuma marca branca, e seus pais têm porções muito mínimas de branco. Pais muito escuros e com mínimo ou nenhum branco podem produzir merles homozigóticos muito mais escuros e com muito menos branco que os demais. A única pista óbvia de que Ronnie seja MM é aquela longa lista branca em sua lateral direita. Seu lado esquerdo apresenta menos branco ainda. Mas Ronnie apresenta pupilas muito claras e sensíveis e, se cruzado com uma preta tri produziria somente merles, já que é portador somente de genes merle.

Esta é Nikki, uma Aussie muito ágil com doze anos (foto de Lisa of Aerodahlin). Ela é um daqueles casos que coçamos a cabeça para estimar o quê ela seja, baseados apenas na observação. Ela apresenta distribuição de branco tanto de merle homozigótico como padrão extremo de branco. Seu merling é muito escuro, sem tendência ao clareamento. Sua audição e visão são normais, provavelmente graças à pigmentação na área dos olhos e orelhas. Sua denominação é ambígua. É necessário avaliar os pais. Mas, já que este grau de malhado é muito raro em Aussies, a probabilidade seria dela ser merle homozigótica minimamente afetada.

Este é Regal, filho de Scooter e propriedade de Lou McCammon. Regal é um merle sable homozigótico. A cor de seu corpo é bastante intensa, mas ele mostra algum clareamento da pigmentação na face e no alto das pernas dianteiras. Ele apresenta grau leve de micro-oftalmiado olho direito. Seu olho esquerdo parece normal, e ele salta e pega os discos como seu pai fazia quando jovem. O genótipo provável de Regal é (a^y a^t Bb MM).

Este é um close-up da face de Regal. Sua coloração sable é visivelmente clareada nas bochechas, laterais do focinho e mandíbula inferior. Este clareamento é comum em merles homozigóticos. Apesar do merling ser difícil de se ver mesmo num merle sable normal heterozigótico, aquele par de genes merle num homozigótico remove a pigmentação sable exatamente como também ocorre com merles azuis ou vermelhos. Um amarelo Lócus E seria afetado da mesma maneira caso duas copias de gene merle estivessem presentes; a cobertura amarela seria reduzida por sua ação. Regal apresenta um blazing bastante largo, mas tem sorte por suas orelhas serem pigmentadas. Enquanto seu olho direito é menor que o esquerdo, sua audição parece ser normal pelos padrões humanos, e é um ávido pegador de discos.