O amarelo provavelmente é a segunda coloração não-padronizada mais comum nos Aussies. Herdada como um recessivo do Lócus E, restringe a pigmentação do corpo do cão e obscurece os pontos de Tan, se estiverem presentes. Freqüentemente ele obscurece o merling nos heterozigóticos, ainda que nem sempre. A verdadeira cor do corpo do cão pode ser determinada pela cor de seu nariz: Cães geneticamente pretos têm nariz preto, e os geneticamente vermelhos têm nariz vermelho-fígado. Os amarelos variam tremendamente entre tonalidades desde o amarelo muito claro de alguns Labradores, até o tom dourado dos Golden Retrievers, ao rico vermelho mogno dos Setters irlandeses. A maioria dos Aussies amarelos aproximam-se à cor de um cavalo palomino, apesar dos tons variarem individualmente. Freqüentemente esta cor é confundida com sable. O fator determinante é a distribuição da pigmentação na pelagem das costas. Num sable, a pelagem das costas é avermelhada clara com pontas escuras (pretas, ou fígado, ou azul). Num amarelo, os pêlos são inteiramente da mesma cor, e não há presença de pêlos pretos.

Provavelmente os amarelos persistem na cadeia genética porque os amarelos de nariz fígado podem lembrar muito os vermelhos mais claros, e ser confundidos com estes. Os amarelos podem resultar do cruzamento de dois Aussies de quaisquer cores, portadores do Lócus “e” recessivamente – sólidos, bis, tris, merles. Amarelo X amarelo produzem amarelo. Um dos primeiros machos conhecidos por introduzir a cor amarela à raça foi “Dugan’s Yellow”. É muito provável que outros antigos Aussies tenham sido portadores. O alelo “e” pode ser transmitido como recessivo durante muitas gerações, e de repente um ou mais filhotes aparecem numa ninhada resultante de dois portadores.

Este é um filhote de Aussie amarelo com pequena expressão da padronagem irlandesa. Sua pelagem é uniformemente amarela, e sua tonalidade é próxima à de um Golden retriever. Seu nariz é preto, sinal definitivo de que ele não é vermelho. Caso seu nariz fosse fígado, poderia ser mais difícil determiná-lo como um amarelo ou um vermelho muito claro. Seus olhos são preto/marrom muito escuro; tipicamente um vermelho tão claro teria olhos mais claros que este filhote. Visualmente não se pode dizer se ele herdou o padrão dos pontos Tans, já que pontos Tans não aparecem nos amarelos ainda que o gene esteja presente. Também não é evidente se ele é um merle, já que os amarelos com apenas uma cópia do gene merle geralmente não apresentam merling. Seu genótipo provável é (B? ee).

Esta série de fotos, cortesia de Shelly Hollen, mostra um merle amarelo de aproximadamente quatro meses até sua idade adulta. Segundo seu criador, seu merling não estava distinto até o quarto mês; gradualmente foi se tornando mais visível. Aos quatro meses ele parecia um merle sable, apesar de hoje, adulto, ele não apresentar nada de sable, ainda que examinado sob o sol. Este é um caso de merling visível num amarelo. Seu provável genótipo é (a^y ? B? ee Mm). Como adulto ele apresenta um merling claramente distinto, em tons bem mais claros de amarelo. É possível que a interação entre sable e amarelo seja responsável pela visibilidade do merling, mas esta questão não foi pesquisada. Também é possível que um amarelo sem o sable infantil igualmente mostre merling. Os criadores de Border collie devem ter alguma experiência nesta questão, já que sables e amarelos ocorrem em Border collies.

Este belo rapaz é Oaffie, foto de Lynn Nathe (da Pastores Australianos Wrencrest). Ele estrelou como “Sandy”, o cão da órfã Annie, na peça infantil “Annie”, apresentada na escola. Ele nasceu numa ninhada de azuis merle e pretos tri, mostrados abaixo. Ele é merle, apesar de somente seus olhos marmorizados revelarem isto. Uma simples cópia do gene merle às vezes não aparece na pelagem dos amarelos, e não é visível em Oaffie. Provavelmente ele carrega o gene da padronagem de Tan, mas esta também não aparece nos amarelos. Seu genótipo provável é (B? ee Mm). Ele também poderia ser erroneamente confundido com um vermelho claro se não fosse o evidente preto marcante de seu nariz e redor dos olhos.

Aqui está uma ninhada de descendentes de “Buster”, o macho não-amarelo pai de Oaffie. Oaffie é o filhote à esquerda dos filhotes amarelos (extrema-direita na foto). Esta ninhada contém uma bela variedade de cores: há um preto bi, um preto tri, um azul merle com pontos Tans e três amarelos. O filhote amarelo à esquerda apresenta olhos azuis, mostrando forte evidência de também ser merle. Entretanto, freqüentemente o merle não é distinguível nos amarelos quando apenas uma cópia do gene merle está presente. Curiosamente, o padrão de pontos Tans também não aparece nos amarelos, ainda que presente geneticamente. Então, cruzando-se estes filhotes com tricolores, poder-se-iam produzir azuis merle normais, com pontos Tans. Por isto é tão importante conhecer a genética de um cão potencialmente procriador. Nem sempre as coisas são como parecem (veja a seção crípticos).

Este é Nugget, um amarelo de nariz fígado. Note sua pelagem da mesma cor que a de Oaffie, e que ele apresenta a mesma listra pálida atrás do ombro. Mas seu nariz e redor dos olhos são vermelho-fígado. Este cão poderia ser facilmente confundido com um vermelho claro. Vermelhos verdadeiros tendem a ser mais uniformes na coloração, onde os amarelos geralmente mostram a listra pálida no ombro e alguns tons de amarelo mais escuro nas orelhas e ponta da cauda. O provável genótipo de Nugget é (bb ee mm). Ele poderia ser Mm, mas não vemos qualquer merling nele, então não podemos ter certeza sem o teste de DNA para merling.

Este é “Mr. George”, um resgatado. Nesta foto ele está bastante abaixo do peso e com pouca pelagem. Seu novo pai relata que ele já ganhou 12kg e uma belíssima pelagem de apresentação, nos aproximadamente seis meses de adoção. Ele também é merle, mas seu merling não aparece em sua pelagem amarela. Em heterozigóticos o merling pode ou não ser visível num cão amarelo. Num merle homozigótico haveria branco excessivo no cão amarelo, assim como em qualquer cor. Diferentemente da pelagem de um sable, seus pêlos têm o mesmo tom de amarelo da raiz à ponta. Seu nariz é preto, então sabemos que seu genótipo é (B? ee Mm). Caso seu nariz fosse fígado, ele poderia passar por um vermelho-canela muito claro, principalmente se sua pelagem escurecer um pouco com a idade.

Este é Mack, um Aussie amarelo que também apresenta meia cabeça branca (foto de Tina Valant-Siebelts). Vestindo uma jaqueta Harley e aproveitando as atenções. Note que seus olhos são azuis. Provavelmente ele é um merle, mas, novamente, não podemos ter certeza já que não há evidências. Ele é um excelente exemplo de nariz preto contra um background amarelo. Isto elimina a possibilidade dele ser um vermelho claro!